segunda-feira, 10 de novembro de 2014

O medo mostra o caminho...

Depois que o filhote nasceu, dediquei-me tempo integral a acompanhá-lo, e os motivos eu escrevi nesse post em abril de 2011. E sou tão feliz por isso! Eu quis assim, me organizei pra isso, e vivi a alegria de uma escolha. 

Os anos passaram, porém, e meu plano de dois anos se estendeu por mais 6 meses, quando voltei a atuar em escola. 

Mas a cabeça muda, e tudo o mais o que aprendi e me tornei, impulsionada pelas mudanças geradas pela busca de uma gestação saudável e um filho feliz, me trouxeram uma gama de possibilidades de rumos profissionais que me empolgam, nos quais posso criar e explorar com sensação de desbravamento.

Entretanto, tanta diversidade que há em mim sente dificuldade de canalizar para uma construção ordenada e, na profundeza do meu ser, não quero me separar do meu filho... Quando penso em dispender energia mental para outra coisa que não seja vivenciar algo com o filhote, já crio uma barreira. Estou vendo coisas que eu tanto quero não darem certo, porque sou forte o suficiente para adiá-las por tempo indeterminado. E sei disso. 

Só que não quero mais que seja assim.
Busco agora uma gerência de mim mesma, para que consiga coordenar aspectos que estão se rebelando... rs

Paula Abreu disponibilizou vídeos gratuitos de seu novo Programa, e assistindo, ela disse - em minhas palavras - que o medo de algo é justamente aquilo que devemos fazer.
Resolvi fazer o exercício escrito que ela propõe sobre o medo.
E incrivelmente (mas bastante óbvio, após escrito) é que a resposta para as perguntas:
Do que você tem medo? e...
Como vai estar daqui a 20 anos se não conseguir realizar a mudança que você quer?
é a mesma!!!!

Se eu tenho medo de me arrepender, ao não realizar a mudança que desejo, adivinhem como estarei?
Arrependida!!!

Confesso que estou com medo de me colocar em movimento, de me colocar em ação. Eu sei o quanto sou forte, capaz e se for pra me mexer, é pra valer!
Ao mesmo tempo em que escrevo isso na coluna do medo, poderia escrever tudo isso na coluna do que mais desejo: me pôr em ação!

ACONTECE QUE...

Estabeleci minha intenção pro dia e minhas prioridades. (exercício do vídeo 1)

Intencionei REALIZAR
E nas minhas prioridades, elenquei três coisas a realizar no dia.

Eu já estava chegando ao final do dia com a sensação 'ruim' de não ter feito tudo o que queria/precisava, mas aquele tudo impossível para um dia só, e ao ver minha lista de prioridades - a qual eu tinha até esquecido durante o dia, eu tinha REALIZADO AS TRÊS!!!!!

Uma alegria imensa me tomou, e quer saber?
EU QUERO MAIS!


Esse post está sendo inscrito como forma de inscrever-me ao concurso de bolsa do PESV - Programa Escolha Sua Vida, da Paula Abreu. Vocês a conhecem? É transformador!

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Veja se você adivinha essas palavras... rsrs [Respondido]

Duas palavrinhas, ou melhor, uma palavra e uma frase que o filhote dizia até os dois aninhos, veja se você adivinha. Uma tem um pouquinho de sentido com o som, ou seja, se você falar a frase em voz alta, talvez compreenda o sentido... rsrs, mas a outra, vixi, só usando o "super detector de compreender palavras do filhote" mesmo.... kkkk

Mas vamos lá, vamos brincar: o que você acha que ele queria dizer com:

"Pá-cum" (estou escrevendo como ele falava, sem me ater à acentuação correta, até porque a palavra não existe mesmo.... rsrs)

O que você acha que é?

E:

"Sinotopupi" (tudo grudadinho mesmo... rsrs)

Vai, vou esperar algumas 'apostas' antes de revelar o mistério, hein?

Respondido em 15/09/2014:

Pá-cum --> Obrigado
kkkk
Essa era difícil adivinhar, né? Sei lá porquê, mas ele falou assim por muito tempo, por mais de 1 ano... Nem preciso dizer que até sentimos saudade disso já, né? De vez em quando meu marido responde "pá-cum" pro filhote, rs.

Sinotopupi --> Não se preocupe
Gente, essa é tão fácil... Brincadeirinha. Mas vamos comigo, acompanhe o raciocínio: "Não-se-preocupe!"

Conjugações verbais diversaaaaas

- Mamãe, eu "di" o brinquedo pra ele.
- Eu dei, filho.
- Não, fui eu que di!
- Eu sei, mas se diz 'eu que dei'... rsrs

- Mamãe, olha o que eu "fazi".
- Você FEZ isso? Que legal! (destacando o feito do filho)
- Eu que FEZ! (destacando a nova conjugação, julgando ser a correta)
- Se diz 'eu que fiz'...  :)

E assim passamos o dia, cheio de português pra lá e pra cá. Bem, posso dizer que em três anos e meio ele já aprendeu bastante! rsrs

Com relação ao plural, ele se atenta para caprichar e dizer corretamente, assim como costumo falar com ele. Vamos combinar, se estou ensinando um idioma a alguém, hei de falar corretamente, certo? É assim que penso! E minha sobrinha, de 10 anos, observou algo sobre meu filho que me chamou a atenção, ela falou assim:
- Bia, ele é a única criança de três anos que eu conheço que fala "p-u-l-m-õ-e-s"!


"O Pensadorzinho"
Foto pessoal: blogdabia.com








Olam Ein Sof de Aniversário

Ando num momento minimalista, então pedi ao marido que não se preocupasse em me dar nada de presente no meu aniversário, não queria nenhum objeto e não queria nada mesmo. Em algum momento da vida, cheguei a pensar que isso era 'conversa' das pessoas, mas é fato real: eu não queria ganhar um presente porque era o dia do meu aniversário, parece-me mais estranho do que normal isso.. rsrs Ele até me alertou: "Pode ser tarde demais"... rsrs
De fato, ele já havia comprado e o presente estava vindo pelos Correios: ele comprou o cd novo do Olam Ein Sof, um casal de amigos nossos que fazem músicas bastante diferentes do comum, "música do infinito".
Eu gosto muito do estilo, gostei das músicas, do clima que promove, da arte gráfica de capa e conteúdo, tudo... rsrs 

Mesmo não desejando ganhar presente nenhum, esse CD dos nossos amigos foi muito bem recebido!  :)

E indico para quem quiser conhecer o trabalho deles: Olam Ein Sof - O Reino de Cramfer





Adendo em 15/09/2014, só para mostrar o capricho do marido no embrulho do presente!

Flor do nosso jardim, compondo a arte que embrulhou a arte...
blogdabia.com

"Ponador de colchão"

Vergonhas à parte, por fazer teeeempo que não posto - apesar de não faltar vontade e assunto, vou contar para vocês algumas falas muito divertidas do filhote.

Receberemos visita na semana que vem e hoje estamos enchendo o colchão inflável para ver se está tudo certo com ele. Meu marido pegou os colchões e o fole (para encher), e enquanto conversávamos alguma coisa, meu filho - que mais parece um rádio ambulante, de tanto que fala - começou a dizer algo "inentendível"... rsrs. Usei do meu super detector de compreender palavras do filhote e, finalmente, entendi.

Ele, com o fole na mão, dizia que era o "ponador de colchão". Você entendeu?
Ele queria encher o colchão de ar, colocar ar lá dentro, ou seja, seria o "ponador"... rsrs

O "ponador de colchão"
Foto pessoal: blogdabia.com

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Foi meu aniversário de 32!!!

Pois é, estava eu tão animada que ia fazer aniversário, ouvi uma música e pensei "é essa a música que vou postar em minha homenagem esse ano", o dia passou, a semana também, e agora já faz até 15 dias... rsrs

Acho que foi a primeira vez que passei longe da família. Os famosos "mil quilômetros" de distância para os braços trouxeram as palavras faladas e escritas, e o choro foi garantido! rsrs
Minha mãe me fez homenagem até no facebook. Até aí, nenhuma novidade, pois as pessoas fazem isso, não é mesmo? A diferença é que eu não tenho perfil no facebook!!!! kkk
Ai, mãe, a senhora é única mesmo... e detalhe: ela escreveu era 1 hora da madrugada.

Aproveitamos o dia passeando numa Festa do Pinhão, numa cidade próxima, e eu acabei o dia pulando em pula-pula inflável com o filho. (Essa é uma vantagem de ser pequena e magricela, os donos dos brinquedos olham e deixam sem titubear, e como o filhote também é pitoquinho, eu falo que ele não consegue ir sozinho, e ele passa fácil por quase bebê... kkk)
Em casa, experimentei fazer um bolo crudívoro para cantarmos os Parabéns, e como esquecemos de comprar velas antes, meu marido improvisou e ficou tudo certo!
Comemorando os 32 com simplicidade e improviso!  ;)
blogdabia.com

Bem, mesmo dias depois, ainda quero postar a música que me dedico neste ano. Com vocês, Gonzaguinha:



EU APENAS QUERIA QUE VOCÊ SOUBESSE


Eu apenas queria que você soubesse
Que aquela alegria ainda está comigo

E que a minha ternura não ficou na estrada
Não ficou no tempo presa na poeira

Eu apenas queria que você soubesse
Que esta menina hoje é uma mulher
E que esta mulher é uma menina
Que colheu seu fruto flor do seu carinho

Eu apenas queria dizer a todo mundo que me gosta
Que hoje eu me gosto muito mais
Porque me entendo muito mais também

E que a atitude de recomeçar é todo dia toda hora
É se respeitar na sua força e fé
E se olhar bem fundo até o dedão do pé

Eu apenas queira que você soubesse
Que essa criança brinca nesta roda
E não teme o corte de novas feridas
Pois tem a saúde que aprendeu com a vida

Eu apenas queria que você soubesse
Que aquela alegria ainda está comigo
E que a minha ternura não ficou na estrada
Não ficou no tempo presa na poeira

Eu apenas queria que você soubesse
Que esta menina hoje é uma mulher
E que esta mulher é uma menina
Que colheu seu fruto flor do seu carinho

Eu apenas queria dizer a todo mundo que me gosta
Que hoje eu me gosto muito mais
Porque me entendo muito mais também

Cíntia Anira e Eu!

Conversei com a Cíntia Anira, do blog Minha Aquarela 2 pelo Skype.
Primeiro que eu a-do-rei a experiência, foi muito legal conhecer alguém que a gente tanto lê e compartilha do cotidiano ou das ideias, e depois tema  chance de falar ali, exclusivamente.
Segundo que eu apareci... Por que não tem fotos minhas por aqui, por aí, não tenho perfil no facebook e nada assim.
Já me descrevi pequena e com cara de criança para vocês? Não me lembro se já o fiz, mas eu sou assim. Uns 10 centímetros a mais me ajudariam em muita coisa, especialmente em não ter que pedir para alguém "puxar a cordinha" no ponto do ônibus para eu descer ou esperar em frente à prateleira do supermercado com o produto lááááá em cima, me olhando. =/
Meu apelido na família do meu pai é "filha da Bia". Dizem meus tios que o tempo passou e como eu pareço mais nova, devo ser a "filha da Bia", e não mais a Bia. 
Se eu te disser que tenho 20 anos, você vai duvidar, mas vai tentar acreditar. Você vai ficar achando que eu tenho uns 18...
Quando uma pessoa me conhece, eu já sei quais serão as reações, as perguntas, e a cada coisa que fica sabendo a meu respeito, vem ainda mais uma leva de perguntas. Então, se não estou no meu dia de "celebridade exótica", melhor não conhecer gente nova para evitar as entrevistas... hehehehe

Eu:
baixinha-magricela-cara de criança-mãe-casada há 12 anos-vegana-minimalista-ecológica-me mudei mil km distante da família e amigos amados por opção, buscando viver com mais qualidade de vida, e isso incluía natureza para mim-saí de uma cidade enorme para uma micro-gosto de empurrar meu filho em seu tratorzinho de brinquedo pela cidade afora, quase todo dia-busco expansão da consciência em amplitude-e tanta coisa mais...
Então, dá muita conversa, né? rsrs

Mas queria mesmo contar que conversei com a Cíntia, e foi bem legal! (Passado o susto inicial por parte dela, claro... rsrs)
Falamos principalmente de alimentação, e quero aproveitar a oportunidade para postar coisas sobre o assunto, o que há tempos quero fazer.

domingo, 18 de maio de 2014

Não gosto da parte macia -> <- Só gosto da parte macia

Tenho um filho, mas -muitas- vezes parece que são dois... rarara
E agora o motivo é como ele tem mudado de ideia rapidamente, no mesmo dia, inclusive!

Numa semana ele adora azeitona, pede para comer pura antes do jantar, come no jantar, pede ou pega as que estão nos nossos pratos. Semana seguinte ele tira até os pedacinhos de azeitona que estão no seu prato e diz: "Eu não gosto de azeitona"... 
De manhã só quer a parte macia do pãozinho, à tarde fica bravo porque só tem parte macia (miolo) no prato dele e ele só gosta de casca, e quando descobre que o pai comeu a outra parte então... até chora!

Sabemos que é fase, afinal, "tudo é fase" nos ajuda a passar o dia-a-dia... hehehe
Mas meu marido gosta de lembrá-lo todas as vezes em que ele diz que não gosta de algo, que ele gosta sim, mas não tem problema não querer naquele momento. Meu filho se dá por satisfeito.

Desde bebê ele tem essa relação de monotema com comidas... rsrs
Tinha dias que só comia tomates. Pronto. Podia eu oferecer-lhe um monte de alternativas, ele queria mais e mais e mais do mesmo.
Então, se o pedido é genuíno e não vai causar-lhe mal, pra que esquentar a cabeça, não é mesmo?

Hoje sinto falta de quando ele gostava de bananas mais do que um macaco... kkk Era um bebê pequeno e comia 4 bananas seguidas, e eu morrendo de medo de dar um negócio nele, nem sei que negócio seria esse, mas algo como estufamento de estômago... kkk
Banana agora só pra brincar de fruteiro, coisa que ele adora fazer. Mas comer que é bom, nem na torta doce, "ele não gosta"... rsrs

Essas coisas nos relembram como é importante para a criança ter à sua disposição sempre alimentos saudáveis como alternativa. Sem corante, sem conservante, se der até sem veneno (agro-tóxico).
E vamos colocando os nutrientes no alimento sensação do momento: se é arroz com champignon que ele pede, cozinhemos com um pouco de quínua, vamos botar ali um caldinho de legumes que foram cozidos à parte, um tanto de gersal, e assim vai, com criatividade e um pouquinho de conhecimento, né?

E que ele possa experimentar a vida sem achar que precisa se prender, para sempre, à sua primeira opinião!
Delicioso pãozinho de chia, vegano, sem glúten, com quínua, amaranto, batata doce e fibra da polpa de beterraba.

O vômito da meia noite....

Que tal o título da postagem?
Filme de terror, de drama, de sátira... o que te parece?

E assim foi na quinta passada: era meia noite quando o filhotinho acordou vomitando.
Ele estava dormindo em nossa cama, de modo que pudemos ajudá-lo rapidamente.
Vomitou umas três vezes, chorou um pouquinho e depois ficou bem.
Eu fiquei cismada que foi um pão de forma que comemos, de uma marca que eu nunca tinha comprado antes, acho que não caiu bem.

Achei bem interessante alguns aspectos:
1) ele vomitou e eu acordei falando "vira ele de cabeça pra baixo", e já fui colocando ele com a boca virada para o colchão. Automatizei a ação que tanto me preocupou quando ele era bebê, e eu temia que ele engasgasse/regurgitasse leite e se sufocasse... ufa, passou essa fase!
2) marido e eu fizemos uma bela dupla produtiva (rsrs), falávamos para ele ficar calmo, que não tinha problema em vomitar, que ele ficaria bem, e assim que ele terminou, meu marido já o levou para o banheiro para dar-lhe um banho, enquanto eu trocava a roupa de cama e secava o colchão. Terminamos juntos e felizes, inclusive o filhotinho que já estava se sentindo bem e acolhido.
3) percebi que já somos pais mais confiantes e não ficamos com neuras de nenhum tipo, logo percebemos que era mal estar momentâneo e passageiro. 
4) não houve aquele 'cheiro azedo' comum em vômitos e que particularmente também me provoca ânsia, e isso se deve ao fato de não ter alimentos lácteos na alimentação. Pude lidar com a situação sem nojo, sem ânsia, sem problemas.

Saiu lindinho do banho, sorrindo com o papai. Convidei-o para ver vídeos e fotos deles em meu celular (ele gosta tanto de fazer isso!), e como percebi que ele ainda estava bastante desperto, disse que o ajudaria a relaxar fazendo o nosso relaxamento. O fofinho ouviu todo o relaxamento, e mesmo acordado ficou bem quietinho até dormir. 
Bem, eu... perdi o sono e fui dormir umas 4 horas da manhã. Mas não dá pra reclamar de nada, estávamos todos bem!

Foi um momento real, vivido e compartilhado, e agora registrado.
Nem terror, nem comédia, nem bem, nem mal. O mundo não é uma escolha entre sim ou não, a vida não é o certo ou o errado. Ai, essas dualidades pré colocadas como alternativas... Vamos expandir mais a consciência, ver o infinito de possibilidades que existem, isso nos aproxima mais da abundância que é viver!




terça-feira, 18 de março de 2014

"Seu sorriso: sua marca!" Uma irmã e uma descoberta.

Hoje é aniversário da minha irmã mais velha.
A que foi filha única por 4 anos e mesmo depois tendo que dividir os pais, a casa e os brinquedos, foi uma adorável pessoa!
Aquela irmã que continuou me amando depois de eu estragar toda a sua bandinha, abrindo cada um de seus brinquedos (tirando a corda do violão, rasgando a sanfona, etc, tudo pela ciência, tudo para ver como o som acontecia).
Para descrevê-la ainda haveria muito, e posso afirmar que não é necessário, esta pequena introdução já se encarrega de deixar claro que ali há um ser humano amoroso e que sabe se refazer!
Dias atrás - ela não me ligou - para contar seus dilemas com as novas possibilidades de trabalho, e isso e aquilo, e esse tem melhor salário, e aquele tem esse benefício, e o outro tem um impedimento assim e tal. Eu soube pelo meu pai e lógico que liguei na hora para saber melhor e para conversarmos. Ela disse que não queria me incomodar com esses assuntos a essa distância (mil quilômetros de distância entre nós, para quem não sabe...).
Conversamos, e aquilo ficou na minha cabeça. Os dados daquele assunto em si e também a abstração deles, pois em geral, são pertinentes a situações e pessoas diversas.
Eu também tô numa situação um pouco parecida, pensando o que faço da vida... rsrs
Muito já pensei e já 'des-pensei', e ontem cheguei a uma conclusão deliciosa, que hoje quero compartilhar com minha irmã.

"Sou capaz de fazer muitas coisas, MAS SÃO POUCAS COISAS QUE ME FAZEM!"

Por vezes, queremos tanto uma coisa, e quando ela finalmente acontece, nós já mudamos e aquilo não faz mais tanto sentido... Minha irmã passou num concurso que era o seu sonho ao iniciar na primeira faculdade, aos 17 anos. Mas já se passaram outros 17 anos... Certamente ela já mudou muito. Já fez outra faculdade, já teve outros sonhos, e agora esse se aproxima de tornar-se realidade e... Pra onde foi aquela empolgação? E o novo rumo profissional? Afinal, são mais de 17 anos em outros trabalhos.

A gente muda, o mundo muda por isso, nossas vontades mudam, nossa cabeça muda, nossos sonhos mudam, a família muda, o rumo muda. E é tão bom que seja assim! Bem vinda, mudança, pode chegar e se instalar!

Ontem eu recebi um belo presente! Um amigo querido me presenteou com danças circulares, que eu pratico há anos, adoro, e que venho preparando para realizar na nova cidade que moro. E com ele vieram dois grandes presentes: um momento de afeto muito grande entre meu filho e eu, com o companheirismo dele, a parceria, e a sintonia de vibração entre nós; e também o elemento que faltava para compreender algo que eu estava buscando.

Dancei, dancei, dancei... tirei o foco da mente, deixei rodar no corpo, e como isso me toca fundo, só então compreendi: A dança me compõe!
Eu posso fazer muitas outras atividades na vida, e em termos laborais também: no que for preciso mesmo! E gosto de muitas coisas, como cozinhar, limpar, ensinar, projetar, articular, analisar, pesquisar, redigir, cantar...
Mas são poucas coisas que me arrancam um choro emocionado, que me fazem me sentir inteira! Poucas me fazem me sentir tão bem! São poucas que juntam minha mente, corpo e alma, sabe? Que naquela hora me põe no presente sem deixar espaço ou sentido para preocupações externas.
Há anos atrás, eu abominaria a ideia de dançar. Não dançava nunca, nem nas festas com a família. Nunca imaginaria que dançar me faria bem, e que poderia ser minha profissão um dia. Mas aqui estou, feliz com a mudança, e aberta ao que mais vier. Tantas coisas inimagináveis ainda poderão me acontecer, que delícia! 
Hoje eu fico feliz com isso. Amanhã eu não sei, e o melhor, não estou preocupada em saber! Quando o amanhã virar hoje, eu vou descobrir.

Então, minha querida irmã, nesse seu aniversário, permeado de dilemas sobre o trabalho, as opções de vida e os rumos que mudam a partir de sua decisão, quero lembrar-lhe que a vida só acontece hoje, e que quando você estiver completa, nenhum outro pensamento a perturbará.
Eu sei que você é cheia de talentos, e agradável como é, todos a querem por perto, mas na hora de escolher, não pense naquilo que você vai fazer. Perceba o que é que vai fazer você!

Bem, sei que não preciso dizer, mas quero, então direi: te amo um montão, te quero bem demais, e tô me esticando ao máximo aqui pela internet para garantir que meu abraço chegue até você! Acho que nunca disse, mas seu abraço é acolhedor! Obrigada por tudo, gratidão! Te amo de novo!

Seu sorriso: sua marca!
Foto pessoal: blogdabia.com